Depoimento da noiva

Gente, esse é um depoimento sobre o processo de desenvolvimento do vestido de noiva da minha querida  Paula Grassini. O vestido foi feito em cetim de seda, tule de poá e fita de cetim de seda francesa, e eu só posso dizer que  ameeei fazer!!!

A escolha do vestido. (Por Paula Grassini)

Escolher com quem fazer meu vestido foi talvez a tarefa mais fácil de toda a empreitada a que se dispõe uma noiva no ano (às vezes ano e meio!) de preparativos do casamento. Sou cliente do Carol Nasser Atelier há tempos, me identifico com o estilo de criação da Carol (nos tornamos amigas por conta disso) e já desfilava modelitos dela pelos casamentos da vida. Daí a escolher o Atelier dela como responsável pelo vestido do meu grande dia, um pulo.

Mas que vestido fazer? Admito que, uma vez noiva, me vi encantada pelo mundo dos casamentos. Flores, decoração, cores, texturas, tendências, fotografia… desde que mergulhei na infinidade de blogs e sites sobre o assunto, passei a navegar com prazer e sem muitas dificuldades pelo imenso leque de opções que se abre a uma noiva bem informada. Agora… vestido ideal eu não tinha.

Queria algo simples e chique. Editado, mas charmosíssimo. Liiiiindo, mas sem pompa, calda ou renda.

Conselho da Carol:

– Vai salvando imagens de vestidos que te agradem, nem que seja um decote, um tecido, um laço.

Assim eu fiz. Pesquisei, pesquisei, salvei, salvei, mas nada que me fizesse bater o martelo. Até que num domingo, depois da transmissão de mais um Emmy (aquele prêmio da TV americana equivalente ao Oscar), me deparo com um vestido preto. Sim, pretinho.  Lindo e perfeito. Já sabia como queria casar.

Calma! O meu foi branco, tá? Rs.

Mas totalmente inspirado no pretinho da Penny (a foto tá aí embaixo). Aí reuni alguns outros modelos que não fossem de ombro só (porque sei que não me cai bem), mas que mantinham a transparência acima do busto, e fui pra minha reunião com a Carol.

Ela topou. Me sugeriu um laço lindo na parte de trás indo até a barra da saia, me mostrou várias opções de tecidos, montou tudo em mim,com direito ao pont d´sprit (que ela já tinha no Atelier!) , e voilá! Nascia o MEU vestido.

Do jeito que eu queria, mas lapidado pela Carol Nasser.

Começou assim:

E o resultado foi:

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: